Descobri que tenho asas e que sei voar, que o medo é a maior algema que alguém pode ter... É hora de me libertar e voar bem alto, repaginando a Vida com Pensamentos e Poesias ao alcance de todos.
Finalmente livre para voar mais alto... Carpe Diem!

Doe Vida - Doe Medula


domingo, 20 de novembro de 2011

BICHINHOS AMIGOS...

O meu post de hoje é em homenagem à pequena Nina, uma cadelinha fofa de uma amiga que infelizmente virou estrelinha por uma imprudência (Nina estava prenha, e infelizmente teve complicações no parto onde seus filhotes, nasceram mortos, necessitando assim de uma cirurgia para a extração do resto do parto e checagem se ainda tinha algum filhote) e silêncio de uma veterinária que simplesmente achou que a cadelinha era um boneco de pano que você tira o enchimento e ele vai ficar lá, ao invés de, vendo que não tinha competência para tal procedimento chamar um colega mais gabaritado para isso, não, resolveu fazer as besteiras, retirar órgãos fundamentais e se calar... Aquela velha história: "O bicho não fala, ninguém vai saber o que aconteceu, deixa quieto, vai morrer mesmo...".
Ledo engano minha querida, a Nina não fala mas é cercada de pessoas que a amam muito e irão até às últimas consequências para que esse erro não se repita com outras criaturinhas irracionais, mas com tanto amor incondicional pra dar que acabam sendo melhor que muita gente que pensa!
Ninguém tem noção do que é pra um dono perder sua companheirinha de alegria que sempre está alí em todas as horas, parece que adivinha quando você está triste precisando de colo, é quando se chegam sorrateiramente se enfiando por baixo das cobertas e colocam a cabeça no seu colo dizendo: "Tô aqui viu, pode contar comigo, te amo". Fiquei arrasa quando minha amiga Lua Beserra ligou aos prantos falando da partida da Nina, é um misto de tristeza, de revolta, de indignação, meu sábado acabou...
Muitos podem pensar: "Quanta frescura por causa de uma cachorra, se ainda fosse gente", minha resposta pra essa pessoa é: "Que Deus tenha misericórdia das suas palavras e do seu ser", só isso, não vale a pena discutir com esse tipo de pessoa, é inútil.
Para amenizar a dor da partida da Nina, pedi a Claudia e a Lua que olhassem para o céu e escolhessem uma estrela linda, pois alí estará a pequena Nina, tão querida, brilhando cada vez mais, alí estará a saudade e os momentos de alegria e de estripulias, assim fez-se o destino, por hora tão cruel, mas talvez servirá de lição pra que a imprudência não mais aconteça.
Tive poucos bichinhos na vida, porque morar em apartamento é complicado, mas sempre gostei de animais, como o parceirinho Tobby, o Shytsu que passava o reveillon aqui em casa enquanto seus donos viajavam, ainda lembro das "batidas" dele na porta quando ia se deitar próximo à frestinha da porta onde saía o ar geladinho, tinha sempre que tomar cuidado pra não tropeçar naquela bola de pelos toda vez que eu ia ao banheiro, rsss. Hoje Tobby mora em outro endereço, feliz da vida!
Mas saudade mesmo eu tenho também do meu Peixe Beta, o Teodoro, todo azul, gostava tanto de olhar pra ele enquanto ficava aqui no computador escrevendo, parece mentira, mas ele ficava tão feliz ao me ver, todo agitado na água, Teodoro partiu pela velhice mesmo, pois os Betas não duram muitos anos de vida, e ele ainda durou um ano e meio...
Enfim, animais são seres de Deus tanto quanto os homens, cuide bem do seu bichinho, não maltrate, dê carinho, e se você é daqueles que acha frescura, respeite pelo menos o sentimento daqueles que amam os animais, afinal, ninguém é obrigado a ter um coração seco como o seu...
Nina, você é a nossa estrelinha brilhante no céu de Deus, que São Francisco te receba com todo o carinho do mundo... Meninas, Claudia e Lua, não deixem essa imprudência se perder no vento, lutem pela verdade, em nome da Nina.
Beijo imenso!

7 comentários:

Joselita Santos disse...

Lamento muito pela perda de Nina. Não consigo nem imaginar como Lua está neste momento de tristeza. Eu tenho uma gatinha, que é o centro de nossas atenções e alegria aqui em casa. Imaginar algo de ruim com ela já me deixar transtornada. Frescura amarmos um animal assim? Nunca! Só quem tem um bichinho indefeso e carinhoso sabe como é. Desejo que superem essa perda, apesar de saber que não é fácil, as lembranças serão eternas. Beijos.

Anja da Lua disse...

Nem fale Joselita, a Nina é como uma filha pra Claudia, e a Lua é amiga-irmã dela, tem o mesmo sentimento de perda de uma madrinha, as meninas estão arrasadas, não é pra menos, só não quero que deixem a partida da Nina ficar em vão... Obrigada pelo comentário, beijo grande!

tvoxente disse...

Já tive animais de estimação e sei o Lua esta passando, ontem estive vendo na Discovery a cirugia de uma tartaruga de estimação para retirada de metais que ela tinha engolido. Medico veterinário porreta.

Candice Almeida disse...

Texto emocionante, Verinha!! A dor da perda é sempre insuportável, seja de um ente querido, ou de um animalzinho querido! Minhas meninas aqui são como filhas! Amores são sempre interesseiros, o único verdadeiramente despretensioso é o dos bichinhos! Eles te amam só por vc existir! Força aos que sofrem!

Cláudia Reis disse...

Na verdade a Nina precisou fazer uma cesariana. E aproveitando que seria precisa abrir, mandei fazer uma esterectomia. Um procedimento que embora seja delicado, é muito comum. A inutil, incapaz, prepotente, que se diz "profissional", ao fazer o procedimento rompeu a bexiga, tirou o uréter, fez uma verdadeira carnificina nessa inocente, que, querendo muito viver, ainda sobreviveu por 8 dias. Assistida, amada, muito bem cuidada por mim e por um profissional apixonado e competente, o Dr. Luiz Carlos. Pode ter certeza que isso não vai passar em branco... Obrigada pelo carinho minha querida.

Lua Lima disse...

Minha irmã Claudia assim como eu é uma apaixonada por cães, foi criadora, e conhece, como poucos as particularidades, características, comportamentos de um cão. Eu, sou mãe de 6 cães, apenas 1 foi comprado, todos os outros foram adotados, e sou apaixonada por eles. Nina foi achada na rua, Cláudia a acolheu e amou, cuidou, tratou...a perda de Nina de forma tão estúpida, arrancou do nosso coração um pedaço, choramos abraçadas e desde ontem o vazio é imenso. Agradeçemos ao Luís Carlos, seu esforço e sua preocupação em tentar salvar Nina. Como diz Vera, ela virou uma estrelinha. A saudade nunca vai deixar de doer, ainda mais quando lembrarmos aquela coisinha miúda e dócil, que deitava no cantinho da cama e piscava os olhinhos fazendo charminho. Muita dor....sem mais...

Suzy Maurício disse...

Muito legal seu blog, Vera Calvão. Sobretudo esta postagem sensível a despeito da cadelinha Nina. Animais são grandes companheiros e tornam-se da família. Amo meus bichos. Meu abraço à mãe de Nina. Beijão para você, Vera.

Postar um comentário

Valeu pelo comentário. Lembre-se: Asas são feitas para voar, nunca esqueça de usar as suas!